O que são Observatórios de Aves

O nome “Observatório de Aves” traz logo em mente a prática de passarinhar e observar as aves de forma recreativa, não é mesmo? A prática de observar aves esta cada vez mais popular no Brasil, e observatório de aves dá a idéia de um local, talvez um clube, ideal para se deleitar observando as aves. Acontece que é não bem por ai, e esse mal entendido é um problema de tradução. De uma forma bem direta, Observatórios de Aves são organizações de pesquisa ornitológica que atuam também em educação e conservação.

Observatórios de Aves existem a mais de 100 anos, tendo surgido primeiramente no norte da Europa. O primeiro observatório de aves, o Vogelwart Rossiten, foi criado em 1901 em Rossiten, atual território alemão, com o objetivo de realizar um monitoramento constante da avifauna local para a pesquisa ornitológica em diversos temas, como migração, comportamento, demografia, fisiologia, reprodução entre outros. Além da pesquisa, o Vogelwart Rossiten também tinha como objetivo inicial trabalhar com a comunidade local promovendo educação (divulgação científica) e auxiliando medidas de conservação das espécies de aves. Desde então surgiram centenas de observatórios de aves no mundo, e existe uma grande diversidade de estruturas e modelos entre tais organizações.  Não existe uma definição global sobre o que faz uma organização ser classificada como um observatório de aves, e o grupo de observatórios de aves internacional (birdobservatories.com) é bastante abrangente em sua descrição do que é (ou não) um Observatório de Aves. 

Muitos observatórios de aves apresentam sua própria definição do que é um observatório de aves; como o Klamath Bird Observatory no Oregon, EUA, que coloca que “um observatório de aves é uma instituição de que realiza ciência empírica e usa aves como indicadores do nosso meio ambiente, economia e bem-estar social.”  Ou o Costa Rica Bird Observatories, da Costa Rica, que define observatórios de aves simplesmente como “centros para o estudo de aves e seus ecossistemas“.

Os (auto-definidos) Observatórios de Aves do Brasil discutiram e elaboraram conjuntamente seu próprio conceito, baseado nas atividades realizadas por tais organizações no mundo bem como no que diferencia observatórios de aves de outras iniciativas relacionadas ao estudo ornitológico no Brasil. Para nós, observatórios de aves são:

Organizações que utilizam ciência empírica para o estudo das aves e do meio ambiente e que conjuntamente promovem educação e conservação através de seus objetivos e atividades.

Nesse sentido, observatórios de aves incluem, mas não se limitam à:

  • Monitoramento padronizado, constante e em longo prazo da avifauna de uma área de estudo.
    • Monitoramento de aves pode incluir observação de aves regular e contínua ao longo dos anos em um local, com base em contagens com metodologia padronizada e cientificamente estabelecida como apropriada, como por exemplo contagens pontuais, por transecto, anilhamento, radiotransmissão etc. 
    • Padronizado significa ter um método bem estabelecido na coleta de dados que possa ser comparado em escala temporal e espacial. Esse método deve estar em concordância com os objetivos do pesquisador envolvido e as leis  do País.
    • Constante significa acontecer em intervalos de tempo regulares  que possibilitem responder os objetivos de monitorar a avifauna local.
    • Longo prazo significa ter desenvolvimento contínuo para acompanhar as mudanças nas populações e comunidades (sem data limite para finalizar).
  • Projetos e atividades que incluam divulgação científica ou programas de educação
    • Educação cidadã
    • Educação técnica/ profissionalizante
    • Cursos, palestras, encontros entre e intra-observatórios